Felipe Montoro Jens reporta pacote de privatizações que deverá ocorrer no segundo semestre de 2018

O governo federal oficializou, no último mês de agosto (2017), a incorporação de 57 novos projetos em seu programa de privatizações. A medida estima investimentos na ordem de R$ 44 bilhões a partir das concessões à iniciativa privada. Entretanto, de acordo com o cronograma anunciado, a maior parte dos leilões ocorrerá apenas no segundo semestre de 2018, uma vez que os prazos para início das licitações ainda estão indefinidos. Isto significa que uma grande parte das movimentações relacionadas aos projetos ocorrerão ao final do mandato do presidente Temer, em meio à corrida presidencial. O especialista em Projetos de Infraestrutura, Felipe Montoro Jens, reporta mais informações sobre o tema.

Ao todo, o Programa de Parcerias e Investimentos (PPI) listou 22 setores com projetos passíveis de serem concessionados à iniciativa privada. No documento elaborado pelo governo federal, destaca-se 14 aeroportos, com expectativa de transferência para a iniciativa privada para o segundo semestre do próximo ano, noticia Felipe Montoro Jens. São eles: Alta Floresta (MT), Aracaju (SE), Barra do Garças (MT), Campina Grande (PB), Congonhas (SP), João Pessoa (PB), Juazeiro do Norte (CE), Macaé (RJ), Maceió (AL), Recife (PE), Rondonópolis (MT), Sinop (MT), Várzea Grande (MT) e Vitória (ES). O Ministério dos Transportes espera, a partir destas concessões, arrecadar mais de R$ 8,6 bilhões.

Outra esperada licitação, e que também deverá ocorrer apenas no segundo semestre do próximo ano, é a venda da participação da Empresa Brasileira de Infraestrutura Aeroportuária (Infraero) nos seguintes aeroportos: Confins (Belo Horizonte), Galeão (Rio de Janeiro), Juscelino Kubitschek (Brasília) e Guarulhos (São Paulo). Conforme reporta Felipe Montoro Jens, a Infraero detém atualmente 49% de participação nos consórcios que atuam nestes terminais. Ainda de acordo com o especialista, o governo federal espera uma arrecadação de aproximadamente R$ 8 bilhões, onde todo montante captado será direcionado aos caixas da União.

A inclusão da BR–153 na lista de projetos participantes também foi motivo de análise. O trecho da rodovia entre os municípios de Aliança (TO) e Anápolis (GO) já havia sido incluída no programa anterior, uma vez que a concessão adquirida pelo Grupo Galvão foi cassada, noticia Felipe Montoro Jens. Segundo informações do Ministério dos Transportes, o atual momento é o de “estudos para nova licitação” da rodovia, sendo que seu processo licitatório deverá ocorrer apenas no último trimestre do ano que vem. Outro trecho de rodovia (BR-364), com aproximadamente 800 quilômetros de extensão ligando as cidades de Porto Velho (RO) a Comodoro (MT), também será concedida à iniciativa privada. Assim como a BR-153, o governo federal revelou que a atual fase é de “estudos”, sendo sua licitação prevista para o final de 2018.

Os terminais portuários de Vitória (ES), Belém (PA), Paranaguá (PR) e Vila do Conde (PA) também possuem concessões programadas para o final do próximo ano.

Por fim, de acordo com Moreira Franco, ministro-chefe da Secretaria-Geral da Presidência, a Casa da Moeda, órgão responsável pela emissão de dinheiro no Brasil, também será privatizada. A concessão da empresa emissora de dinheiro à iniciativa privada é motivada pelo avanço tecnológico ocorrido nos últimos anos, reporta o especialista em Projetos de Infraestrutura, Felipe Montoro Jens.

 

Programa criado pelo Carrefour pretende diminuir o desperdício de alimentos

Como medida sustentável, a grande rede de hipermercados Carrefour lançou um novo programa no Brasil que visa a diminuição do desperdício de alimento. A iniciativa que foi chamada de Únicos, visa a comercialização dos alimentos que fogem dos padrões estéticos, mas que mantém sua ótima qualidade. Esse incentivo a escolha de alimentos considerados “feios”, terá descontos a partir de 30% nos valores das frutas e dos legumes.

Atualmente, os padrões estéticos adotados pelos produtores e varejistas no país identifica que os alimentos com calibre, formato e tamanho diferentes não estão aptos para a comercialização. Sendo assim, esses alimentos são comumente jogados fora, quando na verdade mantém sua ótima qualidade que poderia ser muito bem aproveitada.

Por isso, a rede de hipermercados prevê que a iniciativa contribua para a diminuição do desperdício de alimento no país, criando ao mesmo tempo a possibilidade do aproveitamentos dos alimentos considerados fora dos padrões estéticos. Inicialmente, o programa se estenderá a algumas unidades da rede no estado de São Paulo, onde todas as sextas-feiras do mês terão a comercialização com descontos nos alimentos considerados “feios” no programa Únicos.

Segundo o próprio Carrefour, a rede de hipermercados oferecerá uma área com comunicação e mobiliário específico para atender ao programa Únicos. Neste local, haverá a exposição de diversas variedades de verduras, frutas e legumes, sendo os seguintes itens: abobrinha italiana, berinjela, batata, cebola, cenoura, beterraba, laranja pêra, chuchu, pepino, maçã gala, tomate, entre outros alimentos. Todos eles serão comercializados em pacotes fechados já pesados.

Ainda em fase de implantação, apenas dois hipermercados da rede atendem ao sistema Únicos, sendo eles dos bairros Pinheiros e José Bonifácio. A intenção da rede Carrefour é estender o programa nos próximos meses para todo o estado de São Paulo, e consequentemente, para todos os pontos Carrefour no país.

Além dessa nova iniciativa adotada pelo Carrefour, o grupo ainda possui outras iniciativas semelhantes oferecidas no Atacadão da rece. No formato de cash&carry do grupo, a rede comercializa alimentos considerados “feios” desde 2015 através de descontos. O programa adotado para essa comercialização foi chamado de “Sans Form”, onde os legumes, as frutas e as verduras são vendidos com descontos por estarem fora dos padrões exigidos para a venda. Essa iniciativa já está disponível em alguns estados do país, sendo eles: São Paulo, Pernambuco e Rio Grande do Sul.

 

Parque Cidade Jardim – conheça o complexo de alto padrão de José Auriemo Neto

A ideia de José Auriemo Neto, presidente da JHSF era construir um supercomplexo residencial na marginal Pinheiros, no centro de São Paulo. O empreendimento de luxo iria incluir torres com apartamentos, torres destinadas a escritórios comerciais e um shopping de luxo. Dessa forma não era necessário ter de se deslocar de casa para trabalhar e se divertir, fugindo do trânsito e da insegurança da capital.

De início seu pai, Fábio Auriemo foi contra, mas logo foi convencido pelo filho de que ali poderia abrigar um grande empreendimento destinado ao mercado de alto padrão. “Disse a ele para esquecer o assunto, que o lugar não servia para um empreendimento desses”, recorda Fábio.

Apesar da recusa, José Auriemo Neto (Zeco como é conhecido pelos mais próximos), estava decidido e conseguiu o aval do pai. “Ele mostrou que a entrada poderia ser pelos fundos, numa área residencial,” ressalta Fábio Auriemo.

Pouco tempo depois adquirido o terreno de 80 mil m² da Eletropaulo por R$ 50 milhões e logo começaram as obras do Parque Cidade Jardim, complexo que abriga nove torres residenciais três comerciais, um shopping de alto padrão e um hotel.

O empreendimento também exigiu investimentos em certificados de potencial adicional de construção (Cepacs). Ao todo foram 50 milhões de reais desprendidos para a construção de prédios com andares acima do limite permitido para a região, mais 2,8 milhões de reais para a retirada de setenta famílias de uma favela próxima ao terreno, além dos custos com a obra.

Na época em que foram inauguradas as primeiras torres, os apartamentos mais em conta foram vendidos por R$ 2 milhões cada. Era apartamentos de 240 metros quadrados, contudo os maiores de 1,8 mil metros quadrados chegaram a ser vendidos na época por R$ 18 milhões.

Estima-se ainda que a receita total do empreendimento rendeu a empresa de José Auriemo Neto o montante de 1,78 bilhão de reais. Isso sem contabilizar os ganhos com a receita do shopping, do hotel e de escritórios alugados.

O shopping merece destaque. O centro comercial de alto padrão foi inspirado no Bal Harbour Shops, de Miami e conta com lojas famosas como Empório Fasano, Ermenegildo Zegna, Montblanc, Armani, Louis Vuitton, La Perla, além de cinemas Cinemark, praça de alimentação completa, Academia Reebok, agências bancárias, entre outras opções de lazer e consumo.

Trata-se de um empreendimento que busca atender bem o mercado de luxo paulistano. Algo pouco praticado nas últimas décadas, destaca Paulo Pompéia, diretor da Embraesp (Empresa Brasileira de Estudos de Patrimônio). “Nas décadas de 80 e 90, pouco se lançou no mercado imobiliário para o segmento de luxo”, completa o diretor.

Conheça mais sobre o executivo José Auriemo Neto

É o empresário presidente da JHSF Participações. O paulistano casou-se com a administradora de empresas Mariana Landmann Auriemo e pai de Olivia de 8 anos e Antonio de 11 anos.

José Auriemo Neto está a frente de empreendimentos de sucesso como Residencial Fazenda Boa Vista, residencial no interior de São Paulo, o Outlet Catarina fashion, na rodovia Castelo Branco, entre outros.

 

Cabeleireira começa com salão em garagem e hoje fatura 2 milhões

Aprendendo em cursos de cabeleireira e manicure oferecidos de graça pela Prefeitura de Bragança Paulista (interior a 85 km do estado de São Paulo), Sônia Leonardi, 37 anos, iniciou sua carreira empreendedora no ramo de beleza. Durante cinco anos, o progresso de sua carreira que começou nos fundos de sua casa é inegável. Hoje, a empresária fatura R$ 2 milhões com duas unidades da franquia Infobeleza, o foco do negócio é a formação de profissionais do ramo. Com um lucro de 40%, a empreendedora arrecada R$ 800 mil por ano.

O começo da trajetória de Sônia foi de uma maneira bem modesta. Com um empréstimo feito no banco de R$ 3.000 que o marido conseguiu, a empreendedora começou a atender clientes no salão improvisado na garagem da sua casa.

Enquanto estava no curso, uma de suas professoras identificou o talento de Sônia para ensinar e foi em uma escola de formação profissional para entregar o currículo de sua aluna.

Em agosto de 2013, depois de oito meses trabalhando como professora de cabeleireiros, ela teve uma promoção para o cargo de gerente da escola. Depois de atuar um ano na gerência da escola, ela decidiu trabalhar novamente em seu próprio negócio, onde teria maior autonomia para colocar em prática as novidades e ideias que possuía.

Com uma amiga, o novo negócio teve como alvo ser uma franquia. Depois de conhecerem a Infobeleza, investiram um valor inicial de R$ 45 mil. Para pagar a entrada foram 25 mil e o que faltou foi dividido em parcelas. Cada sócia contribuiu com a metade dos R$ 25 mil. Sônia usou o limite no cheque especial porque tinha um dinheiro para receber da outra empresa que não era suficiente para cobrir completamente a sua parte.

Em agosto de 2014, a inauguração em Bragança Paulista de sua franquia teve um bom resultado. No primeiro mês houve um faturamento de R$ 200 mil, com esse dinheiro conseguiu pagar a dívida no banco. De acordo com Sônia, sua experiência como vendedora de porta em porta de cosméticos por catálogo e de roupas ajudou no bom desempenho das vendas.

 

Startups brasileiras ganham o mundo – reporta Rodrigo Terpins

Rodrigo Terpins cita a fala de Felipe Matos para dar início a essa reportagem: “o varejo físico representa 95% do movimento do comércio brasileiro, contudo o setor sente o aumento dos avanços tecnológicos e busca se adaptar às mudanças de hábitos dos consumidores. Em geral devido ao crescimento do e-commerce.

Felipe Matos, sócio-fundador da startup Farm aceleradora e conselheiro de startups e companhias do Brasil e do mundo; Rodrigo Terpins é empresário atuante no ramo do varejo.

Segundo Felipe Matos o mundo online permite ao empreendedor monitorar cada clique em um nível imenso, o que possibilita aperfeiçoar campanhas de marketing, por exemplo. Já o ambiente físico o monitoramento ainda é feito de forma manual e lenta, o que limita sua eficácia.

O conselheiro destaca que a realidade está mudando por conta das novidades tecnológicas, e muitas dessas inovações são desenvolvidas por startups brasileiras. Durante sua passagem pelo Agile Experience, evento que discute o futuro do segmento das startups realizado em florianópolis nos dias 21 e 22 de setembro, Matos disse ter encontrado encontrou três startups com soluções interessantes para o segmento.

A primeira delas in Loco Media, startup instalada em Recife, completa Rodrigo Terpins. Ela desenvolveu avançada tecnologia de geolocalização utilizada em dispositivos móveis que acessa locais difíceis para o GPS, como edificações e estabelecimentos fechados.

A partir dessa característica a In Loco construiu uma plataforma de anúncios em aplicativos exibidos para usuários de todo o mundo, entregando métricas que nenhuma outra consegue. Os anunciantes podem saber, por exemplo, quanto tempo o usuário viu do anúncio, quais caminhos percorreu, entre outras métricas.

A Up Points também foi uma startup que se destacou. Ela se utiliza de câmeras da tecnologia de inteligência Artificial para o reconhecimento e análise de produtos. Rodrigo Terpins destaca a seguinte fala de Felipe Matos: “Empresas investem bilhões anualmente em marketing para dispor seus produtos nas lojas. Elas gastam para ocupar espaços de destaque nas prateleiras dos supermercados e para inserir material publicitário no ponto de venda”.

É algo que exige uma disposição adequada, controle e uma estratégia bem elaborada para cativar o cliente. É um desafio complexo e a tecnologia desenvolvida pela UpPoints é capaz de monitorar em tempo real a disposição dos produtos e até analisar a presença de produtos concorrentes.

A terceira startup citada foi a Involves de Santa Catarina, desenvolvedora de um sistema destinado a gestão com informações coletadas a partir de smartphones no ponto de venda. A aplicação permite a coleta de informações de forma dinâmica, facilitando a tomada de ações, reporta Rodrigo Terpins.

A ações de promotores de vendas podem ser monitoradas por meio da geolocalização, eles também tirar fotos da situação de gôndolas, receber pedidos de superiores, além de facilitar a pesquisa de preços da concorrência.

A startup se utiliza da gamificação, processo que se utiliza da metodologia dos games para o aprendizado, o trabalho de equipe, ranqueando as melhores performances para premiar os mais bem colocados. A adoção do sistema permite aumento na produtividade de até 25%, finaliza Felipe Matos.

 

Reunião produtiva precisa ter foco

Resultado de imagem para foco na reuniao

Em uma reunião sem foco é muito comum os participantes se sentirem entediados em pouco tempo. Para um melhor aproveitamento da reunião é importante ter algumas atitudes positivas e tomar as decisões essenciais e eficazes para a empresa.

De acordo com uma pesquisa realizada pelo site 3M Meeting Network, 50% do tempo das reuniões é desperdiçado. Para evitar isso é preciso tomar algumas decisões que influenciam o aproveitamento da reunião.

Ser uma pessoa positiva levará a decisões e expectativas que motivem a equipe. É importante apresentar soluções em vez problemas. O conhecimento particular de cada profissional pode ser usado para trazer os melhores resultados, sem deixar de considerar as alternativas disponíveis para alcançar os objetivos buscados.

Participar das decisões é um ponto positivo a ser considerado em uma reunião. Se preparar e se esforçar para contribuir no ambiente de trabalho é uma qualidade notável. Ainda que as ideias não sejam aceitas, a atitude estimulará os demais companheiros a terem iniciativa na reunião.

Em uma discussão infrutífera o bom humor ajuda a trazer a conversa para o objetivo perdido. Ser engraçado é uma qualidade forte para levar as conversas de uma maneira leve e que deixe o ambiente mais tranquilo e relaxado.

Começar uma reunião atrasado não é nada vantajoso. Quem chega no horário não vê com bons olhos quem atrasou. Um atraso é capaz de reduzir a produtividade e gerar um esgotamento por quem está esperando. Se lembrar que o tempo é limitado ajudará a ter em mente o compromisso.

Estar disposto a ajudar é sempre uma atitude agradável, isso influencia os demais integrantes a terem uma posição mais ativa e prática em uma conversa. Quanto mais ação mais rápido virão os resultados.

A criatividade é uma ferramenta eficiente e ágil para transmitir informações, é importante usá-la para esclarecer qualquer dúvida. Podem ser usados exemplos fictícios ou desenhos para facilitar a comunicação.

Identificar boas oportunidades em uma conversa é essencial para potencializar a reunião. Decisões benéficas são as que trazem uma solução ideal para todos. A estratégia deve ser sempre pensada no grupo, que contribuirá para levar a iniciativa para frente.

 

Transferência de cargos em empresas familiares é um desafio

Transferir cargos em empresas familiares nem sempre é uma decisão fácil. O desafio da sucessão nas empresas é um fato muito constante na maioria dos negócios no Brasil. Conforme indicam dados de uma pesquisa da empresa PwC, 80% das companhias do país tem essa configuração e tem uma participação significativa no Produto Interno Bruto Nacional, equivalente a 50%. Não é por acaso que pais, avós e outros parentes não se sintam confortáveis em deixar o cargo para os seus sucessores. As principais preocupações estão relacionadas ao desempenho no trabalho.

O consultor empresarial Roberto Vilela, com mais de duas décadas de experiência ajudando empresas nessa questão, afirma ser muito frequente a falta de visão profissional do negócio e estruturação. Vilela declara: “É preciso entender que o escritório não pode ser uma extensão da mesa de jantar de casa. Enquanto gestores, há uma hierarquia que deve ser respeitada e preservada, bem como a tomada de decisões”.

Somente 12% das empresas com esse perfil sobrevivem à terceira geração, segundo análise da PwC. Maiores são as chances de sobrevivência quando ações convenientes são tomadas, afastando a queda de uma organização empresarial.

É importante saber que o ambiente familiar não deve se estender ao de trabalho. É muito fácil confundir isso em uma empresa familiar, mas quando existe uma separação, resultados podem ser vistos no desempenho e na harmonia de uma companhia que terá um comando mais profissional.

Se o filho e o neto cresceram na empresa, é fundamental prepará-los para assumir as responsabilidades de forma competente, isso pode ser alcançado através de conhecimentos na área de gestão, finanças, economia e relacionamento, requisitos fundamentais para crescer no negócio.

Se forem usadas para otimizar o potencial da empresa as mudanças das gerações são fatores que otimizam o avanço do negócio. A experiência do pai juntamente com o estudo do filho precisam trabalhar em conjunto chegando em um ponto em comum. É preciso uma confiança tanto do gestor no seu sucessor, quanto vice-versa.

Outro erro gravíssimo que não pode ser cometido é assumir um cargo sem compatibilidade de perfil. Quando isso acontece, o herdeiro perde a motivação provocando uma queda na empresa.

 

Empresa de registro de animais oferece acompanhante em voos

Quem tem o seu animal de estimação sempre que pode dá a atenção que ele precisa. Baseado nesse público o setor foi se expandindo para além dos cuidados com a saúde e avançou para os mimos e as novidades para essa clientela.

Apesar da crise financeira, dados da Associação Brasileira da Indústria de Produtos para Animais de Estimação (Abinpet) demonstram que o faturamento do segmento de 2016 foi de R$ 18,9 bilhões e apresentou um crescimento de 4,9% em relação ao ano passado. As expectativas para esse ano é que os números aumentem com os novos serviços disponíveis no mercado, como “certidão de nascimento” e serviços de viagem com acompanhante.

Após vinte anos de trabalho na área de marketing, Fabiana e Adriano Camperoni iniciaram um novo negócio. Com o nome de “República Nacional do Pets”, a empresa inicialmente tinha como foco registrar os animais com o sobrenome da família.

A ideia surgiu depois de uma procura pela internet sobre registrar o cachorro de estimação com o sobrenome do casal, no entanto, não havia nenhum serviço disponível. Enxergando o espaço para o negócio, a empresa foi aberta para fazer esse tipo de documentação. Foram aproximadamente 2.500 certidões de família desde a abertura da empresa no ano passado. O registro se deu em mais de 27 Estados, para esse serviço é necessário pagar o valor de R$ 59,00.

Visualizando as possibilidades de expansão do mercado a marca teve mais serviços que foram criados. O sucesso das parcerias com grandes companhias como Azul, Bradesco e Cinemark, ONG’s e outras empresas do ramo pet trouxeram mais visibilidade e estimularam os serviços da empresa. Os descontos em produtos, ingressos de cinemas ou milhas são as vantagens que os clientes podem usufruir quando adquirem a Certidão Família.

O serviço Fly-Pet Despachante Pet é outra novidade para facilitar a viagem de avião dos animais. O cliente terá uma consultoria sobre a documentação necessária para transportar o seu animal. A empresa poderá também garantir todo o processo de documentação para o cliente, e na opção mais avançada, um acompanhamento personalizado em um voo é feito com o animal de estimação desde a saída de um local até a entrega para o dono.

 

Empreendedores dão dicas de como empreender no mercado de games

Na ultima década, o mercado de games no Brasil cresceu tanto a ponto de se tornar o quarto maior do mundo ao conseguir faturar 1,4 bilhões de dólares ao ano. Antes desse período a movimentação de games no país era feita através de pirataria de mídias físicas e digitais. No dia 21/10 ocorreu o Festival de Cultura Empreendedora que foi financiado pelas respectivas empresas: Pequenas Empresas & Grandes Negócios, Época Negócios e Valor Econômico. Durante o painel alguns especialistas deram dicas sobre como empreender nesse ramo.

Escolha a sua fatia do mercado

Os especialistas ressaltaram sobre a importância de explorar algum nicho que ainda não esteja muito saturado. Ele deu um exemplo apontando que o mercado de games para crianças no Brasil ainda é pouco desenvolvido e que hoje ainda não existem boas opções infantis disponíveis.

Escolha como faturar

Antes de começar a desenvolver o game é necessário escolher a forma de rentabilização que será usado para alinhar o jogo e o metodo de faturamento. Eles disseram que no Brasil a maior parte das empresas disponibiliza o game gratuito e faturam com a visualização de propagandas.

Trabalhe com o mercado exterior

Procure explorar o mercado fora do Brasil, pois é onde o grosso do faturamento se encontra. De acordo com eles, 70% a 80% da receita bruta das desenvolvedoras brasileiras originam de fontes internacionais.

Antecipe-se ao mercado

Considerando a demora na produção de um game, é importante que os desenvolvedores estejam antenados com as tecnologias futuras, pois as do presente podem não estar mais na “moda” no lançamento do jogo. Eles indicam as avaliações dos early adopters, que são consumidores que testam futuras tecnologias para antecipar as que irão fazer sucesso no futuro.

Estude como administrar um negócio

Não basta apenas conhecer bem o processo de criação e desenvolvimento de um jogo, mas também um conhecimento solido de como administrar uma empresa, para que o projeto “não morra na praia”. Outro ponto interessante falado foi à necessidade se separar o hobby do negócio. Os desenvolvedores não devem criar games apenas guiados pelo seu gosto pessoal e sim pelas necessidades e demandas do mercado.