A maiora dos trabalhadores estão nas pequenas empresas

Os trabalhos que são gerados pelos pequenos negócios têm demonstrado a sua importância no cenário da economia nacional, pois 70% dos brasileiros que trabalham para o ramo privado estão no pequeno negócio. Esse dado demonstra como é importante a força das pequenas empresas, o resultado positivo que elas têm, e a capacidade de gerar trabalho mesmo passando por um situação de retração econômica.

Conforme um estudo realizado pelo Sebrae, são 72 milhões de pessoas que estão trabalhando para empresas privadas, e 50,6 milhões têm a sua renda originária de empresas de pequeno porte. Segundo o IBGE, os empregadores, os trabalhadores por conta própria, familiares e os empregados com ou sem carteira assinada são considerados ocupados.

Ainda que estejam trabalhando formalmente ou não, 26 milhões de trabalhadores possuem um pequeno negócio e estão empregando ou trabalhando por conta própria. Sem possuir carteira assinada o total do número de trabalhadores é de 24,7 milhões. Com uma representatividade de 27% do PIB e uma geração de 54% da massa salarial, as pequenas e microempresas cada vez mais estão participando de uma forma decisiva no papel da economia brasileira devido ao potencial de gerar novas vagas de trabalho, pois são como os motores da economia brasileira, segundo afirmação do presidente do Sebrae, Guilherme Afif Domingos.

De acordo com Afif: “Mesmo com a retração da economia, o número de empreendimentos aumentou. Os pequenos negócios são os que mais contratam quando a economia cresce, demoram mais tempo a demitir na desaceleração da economia e são os que menos demitem na retração da economia. Entre o 1º trimestre de 2014 e o 1º trimestre de 2017, o número de desempregados passou de 7 milhões para 14,2 milhões de pessoas. No mesmo período, o número de empreendedores cresceu 1,6 milhão, mitigando a situação do desemprego”.

As informações que foram divulgadas se baseia no levantamento que foi realizado pelo Sebrae através de estudos e pesquisas sobre o mercado de trabalho e o empreendedorismo. As fontes consultadas são da Relação Anual de Informações Sociais (RAIS), do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), do Dieese, da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílio Contínua (PNADC), do Pastore, da Fundação Getúlio Vargas (FGV), do Tribunal Superior do Trabalho (TST), do Conselho Nacional de Justiça (CNJ) e os dados do Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged) do Ministério do Trabalho.

 

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *