Micro e pequenas empresas geraram 54 mil vagas de emprego em fevereiro

Mesmo diante do cenário de crise, como esse que o Brasil enfrenta, as micro e pequenas empresas permanecem otimistas, principalmente em relação ao crescimento do saldo de novas contratações no início deste ano. De acordo com Guilherme Afif Domingos, presidente do Sebrae, o setor da Educação foi o grande responsável pelo bom desempenho da categoria, eles criaram 20.7 mil novos empregos, cerca de 44℅ do total de vagas. A administração pública também apresentou um saldo positivo de 8,3 mil novos servidores, já as médias e grandes empresas tiveram um saldo negativo de 26,6 mil.

Em Janeiro, as micro e pequenas empresas já estavam com a taxa de geração de empregos em 27,3 mil novos funcionários e com indícios de um possível aumento, em Fevereiro, esse número subiu para aproximadamente 54 mil pessoas. As informações são do levantamento realizado mensalmente pelo Sebrae com base nos números do Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged), do Ministério do Trabalho. Entre os segmentos que mais contrataram estão, a indústria de transformação e a indústria de calçados e têxteis que registraram a criação de quase 10 mil vagas, o setor de serviços também foi responsável pelo maioria das contratações no último mês.

No geral, praticamente todas as regiões brasileiras apresentaram desempenho positivo na geração de novos postos de trabalho, entretanto a região Sudeste foi a que mais se destacou com a criação de 26,2 mil novos empregos, sendo a maioria proveniente dos estados de São Paulo e Minas Gerais. A região Sul teve 14,5 mil, a região Nordeste foi a que registrou o menor saldo de empregos gerados 1,3 mil.

É bom destacar que no mesmo período do ano passado, as micro e pequenas empresas tinham apresentado um saldo negativo de geração de empregos, aproximadamente 19,4 mil.Se for calculado,  o acumulado deste início de ano contabiliza cerca de 81,3 mil novas contratações. Mas apesar do fato de que esse segmento de empresas estão sendo responsáveis pela alta taxa de geração de empregos este ano, ainda é muito cedo para se falar em retomada do crescimento.

Sergio Cortes reporta os dois lados dos raios X dos exames de imagem

E como bem lembra o ortopedista Sergio Cortes, os raios X foram descobertos há mais de um século, mais precisamente em 8 de novembro de 1895, pelo físico alemão Wilhelm Conrad Röntgen, e então, entre os anos 1920 e 1950, a radiologia desenvolveu-se em nosso país, tornando-se tão essencial à ortopedia como é até os dias de hoje.

Porém, apesar de indispensáveis em certos casos, eles não são “brincadeira”. Independente do exame feito, havendo a exposição de raios X, ou seja, de radiação, deve-se então ter muito critério para usá-lo, além de cuidados, como monitorar e controlar todo o processo, de modo que o paciente seja exposto a quantidades consideradas seguras.

Se nos expormos à radiação excessivamente, isso passa então a ser nocivo

A princípio, radiografias não são assim tão condenáveis, afinal, é o raixo-x que consegue mostrar ao especialista um osso que quebrou ou um tumor que está crescendo no paciente, lembra Sergio Cortes sobre a utilidade crucial destes exames em sua especialidade médica.

Em verdade, quando se trata dos possíveis perigos, é logo pontuado por qualquer médico experiente, que além dos costumeiros cuidados dos profissionais, voltados a evitar ao máximo expor os seus pacientes à radiação quando desnecessários os exames de diagnóstico, os ricos dos raios X destes são baixos, se os compararmos às outras situações de exposição à radiação.

O ortopedista Sergio Cortes também recorda que estamos sempre expostos à radiação natural, presente tanto no solo quanto no espaço, e até mesmo em nossos alimentos. Mas sem deixar passar que, apesar disso, a radiação em grandes quantidades ou repetidas vezes pode chegar a até mesmo alterar o DNA das nossas células. Nesse sentido, as áreas mais vulneráveis costumam ser a tireoide, os olhos, a medula óssea e o sistema reprodutor como um todo.

Sergio Cortes recorda o consenso sobre os cuidados com a radiação

O mesmo ortopedista reporta então qual é o atual consenso médico sobre cuidados relacionados às radiografias, fluoroscopias e tomografias computadorizadas, e isso começa logo quando for pedido pelo médico algum desses exames. Nessa situação, o paciente tem de avisar ao profissional se já tiver realizado o mesmo exame antes, se foi há muito ou pouco tempo, e se ainda possui guardada a radiografia.

Outro quesito também consensual, recorda o médico Sergio Cortes, é se o local do exame segue o padrão de segurança, se estão sendo tomados todos cuidados indispensáveis para que a radiação seja menos nociva possível. Entre eles, no caso das radiografias, está o uso de aventais de chumbo, além de protetores de tireoide e protetores de gônadas.

No entanto, ainda que uma radiografia do tórax equivalha a dois dias e meio de radiação natural, ou como no caso de uma tomografia do abdômen, mais de dois anos e meio, o ortopedista relembra que toda a classe médica os considera certas vezes indispensáveis, de modo que não se deve evitá-los se indicados forem para o problema a ser tratado.

O segredo da Apple que você precisa saber

A Apple hoje é vista como a maior referência em produtos eletrônicos e computadores. Mas porque ela se diferencia tanto? Ela possui dezenas de concorrentes ao seu redor, mas ela passeia livre, longe de todos, na passarela do comércio, sempre se mostrando um passo à frente.

Steve Jobs, embora tenha errado várias vezes na sua carreira, a ponto de ser demitido da própria Apple, empresa que ele mesmo fundou, tem uma coisa diferente de todos os demais fabricantes de eletrônicos e computadores. Esta coisa é chamada de perspectiva, ou ponto de vista.

Se observarmos as companhias concorrentes, vemos claramente que elas focam nos recursos dos aparelhos. Claro! Quanto mais recurso um aparelho tiver, maior pode ser o preço exigido por ele. Isto é óbvio e é extremamente justo. Mas este parece ser o principal atraso dessas concorrentes.

Digo isto porque, quando criamos ou desenvolvemos um recurso, todas as ações de propaganda e publicidade serão voltadas para este recurso. Quando as pessoas assistem a essas propaganda sobre os recursos, grande parte delas comparam o produto com produtos de outras fabricantes, por que o cérebro age assim naturalmente. Como forma de prevenir erros, ele busca entender se aquilo é prejudicial a ele. E faz isto por meio de comparação. Mas vale lembrar que isto não é feito conscientemente. É uma reação imperceptível.

Qual é o grande problema disso? Se a pessoa compara o seu recurso com o recurso do seu concorrente, isto quer dizer que você é igual a ele. Ou seja, fabrica os seus produtos com as mesmas perspectivas dele. E isto é uma coisa que a Apple não faz. A Apple pensa de frente para traz.

Antes de simplesmente criar um aparelho, ou um recurso novo no aparelho, a Apple pensa porque ela deve criar aquele aparelho; porque deve ser criado da forma x ou da forma y; quais serão os benefícios que aquele aparelho, ou recurso, trará para o consumidor. Primeiro ela busca o porquê, e depois ela busca o recurso. Se você começar a reparar as propagandas e comerciais da Apple, ou até mesmo se fizer uma visita ao site, perceberá que eles respondem essas perguntas.

Vender produtos, vender recursos, vender aparelhos, todos vendem. Por isso todos se igualam. A Apple poderia vender produtos, recursos, entre outros, mas quando ela busca o motivo antes de produzir o produto, ela passa a ter a oportunidade de vender o benefício que aquele produto proporciona, e não somente o produto, e exatamente isto afasta ela da média. Fazendo isto ela também se possibilita tampar várias fendas que um determinado produto pode possuir nos demais fabricantes do mercado.

 

Quando você vende benefícios que ninguém vende, você pode cobrar o que ninguém cobra!

 

O Que Você Precisa Saber Antes de Abrir o Próprio Negócio

Para muitas pessoas, o sonho de ter o próprio negócio supera as vantagens de ter um emprego estável. As startups e os pequenos negócios são hoje uma tendência entre brasileiros de todas as idades que buscam uma alternativa ao posicionamento tradicional no mercado de trabalho.

Para que um novo negócio obtenha sucesso e torne-se sustentável, é preciso muito mais do que vontade e disponibilidade de tempo, se preparar e ter expectativas realistas de acordo com o ramo escolhido é essencial.

Além dos conhecimentos específicos necessários para a o ramo de atividade em que a empresa está inserida, o empreendedor deve buscar capacitação também nas áreas de gestão financeira, gestão de pessoas e marketing. Existem muitos cursos on-line gratuitos que podem ajudar o empreendedor na hora de obter estes conhecimentos, como os disponibilizados pela Fundação Getúlio Vargas.

Um plano de negócios bem preparado é o principal ingrediente para o sucesso de uma empresa. Muito mais do que um simples planejamento, o plano de negócios deve iniciar com a definição do negócio e conter uma análise da concorrência e do mercado, seleção do público alvo e estabelecer objetivos a curto, médio e longo prazo.

O plano de negócios finalizado também permitirá que o empreendedor faça o levantamento dos recursos financeiros, humanos e materiais que irá precisar para colocar a operação em prática. Neste momento ficará claro o montante de dinheiro a ser investido e, para evitar imprevistos, o planejamento deverá ser revisado e adaptado à realidade financeira do empreendedor. É de extrema importância que o dono do negócio não invista todo o seu dinheiro de uma vez, pois é necessário que seja feita uma reserva financeira para utilização em situações emergenciais.

Para formalizar a empresa é indispensável o auxílio de um contador e de um advogado, que poderão orientar os primeiros passos, evitando problemas futuros. Outro contato importante é com um profissional de comunicação, que poderá criar e desenvolver a marca de acordo com as expectativas do empreendedor e o público alvo.

Acima de tudo, é preciso que o dono do novo negócio tenha a consciência de que empreender, no início, é muito mais trabalhoso do que ter um emprego com carga horária fixa e funções determinadas. Porém, a satisfação de colocar em prática o objetivo de ter o próprio negócio e a determinação em obter sucesso, ajudam a superar as dificuldades do início e a manter o foco, levando muitos empreendedores a atingirem suas metas e viverem exclusivamente do fruto do seu trabalho.

 

Conheça mais sobre a escolha de Eduardo Sirotsky Melzer para a presidência do Grupo RBS

Eduardo Sirotsky Melzer assumiu a presidência executiva do Grupo RBS no ano de 2012, substituindo o seu tio, Nelson Sirotsky, que após anos no cargo, optou por se dedicar com exclusividade as funções de presidente do Conselho de Administração e chefe do Comitê Editorial da empresa.

Neto de Maurício Sirotsky Sobrinho, que fundou a empresa na década de 50, Eduardo Sirotsky Melzer já ocupava anteriormente o cargo de vice-presidente desde o ano de 2010, além de ter trabalho por mais de seis anos em outros cargos executivos na empresa como diretor geral para mercado nacional e vice-presidente de mercado e desenvolvimento de negócios.

Logo ao assumir o cargo, o executivo deu continuidade as políticas estratégias do Grupo RBS, as quais são pautadas em dois pilares essenciais, o desenvolvimento das operações no setor de comunicação e a expansão de seus segmentos digitais. Por ser parte da terceira geração a presidir o Grupo RBS, a escolha de Eduardo Sirotsky Melzer para a presidência reforça a vontade da empresa em adotar um estilo de governança profissional familiar.

Entre o impressionante portfólio do grupo se encontram 24 emissoras de rádio mais a HSM Educação, que é especialista em cursos voltados para a gestão de negócios, 18 emissoras de televisão que são afiliadas à Globo e duas redes locais. Nos últimos anos, devido a política de investir em sua expansão digital, o grupo também se tornou proprietário ou sócio de oito empresas nos segmentos de marketing, entretenimento, desenvolvimento de aplicativas e vendas na internet.

Um exemplo disso, é o fato do grupo ter adquirido uma parte das ações da Wine, empresa especializada na venda de vinhos pela internet, com mais de seis mil funcionários e um faturamento de mais de R$ 1,2 bilhão no ano de 2011.

Eduardo Sirotsky Melzer se formou em Administração de Empresas pela Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul (PUC-RS), e iniciou sua trajetória profissional nos Estados Unidos, ao cursar uma especialização em Administração de Negócios em Harvard, uma das melhores universidades do mundo. Posteriormente, ele permaneceu se especializando através da realização de outros cursos com foco nesse meio.

Depois de assumir o comando da empresa, Eduardo Sirotsky Melzer passou a ser considerado um dos executivos de destaque do país, razão pela qual ele tem sido lembrado e homenageado em várias premiações. Como exemplo disso, ele levou para casa o prêmio de Empreendedor do Ano de 2015 na categoria Family Business e também o título de Empresário de Comunicação do Ano de 2013 durante a Semana ARP de Comunicação. Todas essas honrarias demonstram a capacidade do empresário em liderar uma empresa com foco em comunicação durante o período atual de grandes mudanças tecnológicas no setor.

 

Sua forma inovadora de comandar a empresa fez com que, em 2016, o executivo fosse escolhido para participar da lista de líderes do Cambridge Institute for Family Enterprise, uma honra destinada para apenas 25 empresários desse meio em âmbito mundial. Além disso, o empresário também já atuou como conselheiros de três instituições ou organizações, a Bienal do Mercosul, a e.Bricks Digital e a Fundação Iberê Camargo.

 

 

Sucesso com gosto caseiro: conheça a cookie store Mr. Cheney

Uma receita preparada de modo caseiro pelo empresário Lindolfo Paiva foi o ponto de partida de uma bem sucedida rede focada na venda de cookies. Com 10 anos de funcionamento, a empresa atingiu lucratividade estimada em R$ 35 milhões no ano de 2016. Inicialmente Paiva preparava os doces apenas para receber os amigos, atitude que os agradava muito. Foi então que ele percebeu o potencial de comercialização dos quitutes.

O empreendedor participou de uma viagem para o sul do país onde integrava uma missão humanitária. No local ele conheceu Jay Cheney, um californiano especialista em se tratando de cookies. O bom entrosamento dos dois fez com que o estrangeiro fosse até a casa do amigo para demonstrar-lhe como se preparava o biscoito. O resultado inicial agradou o brasileiro, que resolveu testar a receita muitas outras vezes.

Quando os pedidos de amigos interessados em comprar os cookies aumentaram, Paiva percebeu que era hora de abrir o próprio negócio para conseguir atender a grande demanda, uma vez que apenas o forno da cozinha de sua casa se tornara insuficiente nessa tarefa. Ele e sua esposa resolveram, então, investir todas as economias da família para montar a primeira loja. O comércio foi estabelecido na cidade de São Paulo, no bairro da Casa Verde.

Após a inauguração da matriz, além do público cativado pela qualidade dos produtos, houve também uma enxurrada de pessoas que mostraram-se muito interessadas em abrir franquias do negócio. Cerca de 700 empresários integravam um cadastro organizado por Paiva. Ele, no entanto, resolveu aguardar um período de tempo até que a empresa crescesse e ganhasse um formato mais delineado no mercado. Por meio de um estudo ele conseguiu traçar objetivos e fortalecer a marca.

O empresário explica que houve grande investimento no que se refere à aparência que a empresa possuía no mercado. Para isso houve o empenho em se aprimorar embalagens e logotipos. Pioneiro no segmento que resolveu atuar, Paiva comemora o fato de ainda não possuir nenhuma concorrência de modo direto. Ao todo 60 filiais estão em funcionamento em território brasileiro, havendo também a intenção de se realizar expansões na Argentina e nos Estados Unidos. Estima-se que brevemente haja a concretização dos negócios no exterior.

Paiva relembra que o início não foi dos mais fáceis, pois teve que realizar ações de degustação com o intuito de mostrar aos potenciais consumidores que se tratava de um produto de qualidade superior. Características como o fato dos cookies serem recém assados e fartamente recheados foram os diferenciais para que os biscoitos fossem conquistando o público. Ele esclarece que houve a necessidade de se acompanhar o andamento dos processos de produção de modo bastante direta, o que fez da primeira unidade uma referência para as demais.

 

Saiba mais:

http://economia.ig.com.br/empreendedorismo/2016-12-09/empresario-mr-cheney.html

Especialistas dão dicas para quem deseja abrir o próprio negócio

Quem abre o próprio negócio carrega consigo o desejo de ter maior autonomia financeira, além de não ser empregado de terceiros. Junto com a liberdade alcançada, empreender também requer uma série de responsabilidades e algumas regras que devem ser observadas antes mesmo que uma empresa inicie suas atividades. De acordo com Fabiano Nagamatsu, que presta consultoria no Sebrae, alguns brasileiros estão tão concentrados na missão de fazer com que o empreendimento dê certo, que acabam errando em assuntos essenciais.

Caroline Caracas, da Marketing Minds, alerta para os perigos que a falta de planejamento pode trazer. Segundo ela, que também é coach do ramo empresarial e membro do Programa Empreenda-se, a falência pode estar mais próxima do que se imagina, caso o negócio não seja baseado em um modelo adequado. A flexibilidade é um elemento crucial para que problemas inesperados não comprometam os passos estabelecidos, analisa Caroline.

O conhecimento acerca do mercado que se pretende entrar foi citado pela coach como uma das tarefas básicas para quem almeja iniciar uma empresa. Ideias aparentemente geniais e com grande promessas de lucratividade podem representar uma armadilha. Saber em que estado se encontra o segmento desejado dará uma clara noção se de fato valerá a pena os esforços empregados em determinado empreendimento, destaca a profissional. Uma pesquisa sobre as necessidades locais pode dar sinais do que está faltando em um determinado ramo, alerta Caroline.

O futuro empreendedor não deve achar que sua rotina como patrão será algo fácil de se lidar, uma vez que não há substituto para o dono da empresa, pondera Nagamatsu. Ele ressalta que alguns podem ignorar a enorme carga de trabalho originada pela abertura da empresa, o que acaba causando um verdadeiro colapso. O gerente do Ibmec, responsável pelo setor de empreendedorismo e internacionalização do instituto, aponta para a importância de se ter uma visão realista do segmento escolhido, bem como do próprio negócio.

Mais uma vez, a questão do planejamento é levantada por Caroline ao afirmar que todos os gastos inerentes ao funcionamento da empresa devem ser criteriosamente analisados. A necessidade de crédito pode ser um entrave ao bom andamento dos negócios em fase inicial, alega Nagamatsu. Ribeiro também sinaliza que a capacidade do empreendimento gerar lucro só virá após um período de tempo, havendo a demanda do empresário conseguir se manter de forma independente enquanto não dispõe dos dividendos.

Como ocorre com empresas de grande porte, mais que anunciar seus produtos e serviços, é preciso empreender esforços para que se conquiste um número crescente de clientes, informa Caroline. A coach ressalta que, nos dias atuais, o empreendedor pode contar com o marketing digital, uma modalidade que permite até mesmo a eliminação de intermediação de outros profissionais, o que não dispensa a aplicação dos esforços de quem deseja empreender.

 

Saiba mais

Quer empreender? Até aonde você está disposto a renunciar?

A todo momento precisamos tomar decisões e, embora não seja surpresa para você, toda decisão tem uma perda. A questão aqui é: o que está sendo perdido? Quais serão os efeitos dessa perda?

Certa vez assisti um filme chamado “127 horas”. Este filme conta a história do alpinista Aron Ralston que fica preso em uma fenda quando uma pedra cai, e arrancar o seu braço é a única alternativa que ele tinha se quisesse sobreviver. Você deve estar se perguntando neste momento: o que tem a ver isto com o assunto? Simples! Analisei o filme do ponto de vista do empreendedor e percebi que as vezes nós temos algo que julgamos de extrema importância para nós, mas, na verdade, conseguimos viver perfeitamente sem aquilo. Aliás, para viver, as vezes é preciso não ter aquilo. Alguns padrões já estabelecidos podem nos influenciar na tomada de decisões, e por isso eu pergunto a você agora: existe algo que você julga necessário, mas que prejudica a sua sobrevivência?

Exemplos:

Jeane Moura era vendedora de roupas e buscava por uma alimentação saudável, mas em sua cidade não tinha nenhuma alternativa de comida natural. Foi ai que Jeane identificou a oportunidade e decidiu abrir mão de carteira assinada, abrir mão de salário, abrir mão da segurança, entre outros, e começou seu próprio negócio mesmo sem ter experiência alguma no ramo. Em 2016, apenas nove anos depois, a empresa de Jeane, DNA Natural, faturou 20 milhões de reais. Vale lembrar que este é apenas um entre milhares de exemplos que temos de pessoas que deixaram sua profissão, o mercado tradicional, e abriram seu próprio negócio.

Trago à reflexão: quantas pessoas você conhece que estão no mesmo emprego e no mesmo cargo, e, quem sabe, com o mesmo salário a mais de 10 anos? Se Jeane não renunciasse o plano de saúde, o salário e outros benefícios, hoje, 10 anos depois, aonde ela estaria? Será que teria, pelo menos, sido promovida a Gerente de Vendas?

Muitas pessoas até têm vontade de empreender, têm ideias para empreender, identificam oportunidades no mercado, mas não estão dispostas a abandonar a vida que tem pela vida que querem. E, se isto acontece com você, fique tranquilo, isto é comum, por isso apenas algumas pessoas se destacam, ao invés de muitas.

No começo eu disse que toda decisão tem uma perda. Bom! O tempo passa, não importa se você decida por A ou B, o tempo passará de qualquer maneira. Suas escolhas de hoje farão você estar aonde você quer estar daqui a 5 ou 10 anos? Ou seu medo de tentar fala mais alto que sua vontade de empreender? Se sim, lembre-se que toda conquista começa com a decisão de tentar.

 

Otimize sua rotina de empreendedor adotando 6 hábitos simples

Ao aventurar-se no mundo dos novos negócios, uma das principais mudanças que o empresário enxerga é em sua agenda e estilo de vida. Os compromissos começam a surgir, novas tarefas aparecem a todo tempo e as reuniões começam a ficar mais frequentes.

Em meio a essa mudança rápida e radical na rotina, muitos gestores não param para organizar seu novo cotidiano ou refletir sobre hábitos que podem levar a empresa mais longe. Por isso, confira 6 atitudes que beneficiam empresa e empresário no processo de construção de um novo negócio.

Delegue tarefas

Por mais que a nova empresa seja como um filho para o empreendedor, é necessário praticar o desapego. Selecione uma equipe competente e de confiança para delegar responsabilidades com segurança.

Muitas vezes, o dono da empresa envolve-se demais com detalhes da operação, e acaba por desviar seu foco do seu real papel: gerenciar a empresa e fazê-la crescer.

Tenha disciplina com o e-mail

Essa é uma das principais ferramentas de trabalho do empreendedor, mas também uma das mais perigosas no desvio da atenção. Aquela conferida inocente na caixa de entrada pode acabar desencadeando uma ânsia em responder e resolver tudo de uma vez só, tirando o foco das atividades que já estavam listadas e priorizadas.

Evite a conferência constante do e-mail, além de buscar iniciar o dia com uma outra tarefa que não seja a leitura do correio eletrônico.

Foque na saúde

Empresário de cama não consegue tocar o negócio, certo? Por mais que o dia a dia esteja corrido, não abra mão de refeições saudáveis e exercícios frequentes.

Cerque-se de ferramentas

À medida que o negócio vai crescendo, compromissos, informações de contatos importantes, finanças e processos de venda são alguns dos exemplos do que pode fugir do controle do dono da empresa.

Felizmente, opções de ferramentas não faltam no mercado para garantir a ordem na gestão da organização.

Saiba dizer não

Quando a empresa começa a ganhar relevância, os convites para palestras, eventos e reuniões crescem com ela. Muitas vezes, são excelentes oportunidades para fazer novos contatos e investir em relacionamento com o mercado. Outras vezes, nem tanto.

Saiba avaliar e priorizar essas atividades. Não é necessário dizer que o tempo do empreendedor é precioso.

Tire férias

Mesmo parecendo uma utopia no mundo dos novos negócios, as férias são fundamentais para a saúde mental dos administradores. Com organização prévia e um time bem estruturado, esse tempo de folga torna-se possível, e as energias renovadas irão se refletir no desempenho do gestor na volta.

É comum ouvir que “a vida de empreendedor não é fácil”, mas ficar repetindo esse tipo de crença apenas prejudica o crescimento da empresa. Em vez disso, que tal adotar hábitos que podem trazer vantagens efetivas para a gestão da companhia e para a vida de quem a administra?

Bem-estar e conforto, alguns atributos do Hospital Copa Star

Conheça uma grande mistura que envolve tecnologia de ponta, muito glamour, e o que de mais moderno e conservador existe em uma luxuosa obra prima da arquitetura contemporânea, conheça o Hospital Copa Star.

Sinônimo de inovação em todo seu enfoque, desde a preocupação com os mínimos por menores de delicadeza artística, até vias de comunicação entre usurário e profissionais vigentes, o Hospital Copa Star supera as expectativas que em muito fora dito como utópicas em um país defasado em atendimento médico.

Sendo um dos empreendimentos da rede D’Or São Luiz, o Hospital Copa Star foge a regra dos padrões comuns e saturados em que são planejados e construídos a imensa maioria dos hospitais, e a forma de prestar atendimento aos seus pacientes foi criada para ser funcional em toda sua estadia.

O hospital fundado no Rio de Janeiro, veio para suprir a necessidade de um atendimento de grande nível em recursos e especialidade que existia naquela região. Para ter esse tipo de atendimento, os pacientes interessados tinham que buscar em São Paulo, poder se consultar e serem atendidos com esse tipo de padrão.

Resultado de um grande investimento de mais de R$ 400 milhões, o hospital é referência em atendimento especializado em cardiologia e neurologia, sendo capaz de realizar intervenções cirúrgicas reunindo técnicas e equipamentos de ponta, o Hospital Copa Star disponibiliza de uma equipe de profissionais conceituados e treinados para as diversas situações que envolvem os pacientes e seus visitantes.

A preocupação que o hospital tem com o bem-estar de seus usuários, é o carro chefe de sua consagração em vista das enormes diferenças que as instituições de saúde brasileira dispõem de um modo geral em todo o território nacional, e quando comparamos o atendimento prestado aqui no Brasil com os padrões internacionais de alta competência, o Hospital Copa Star não fica devendo nada.

O foco é a melhora do paciente e para isso o hospital busca no conforto de seus pacientes, uma metodologia que se aplica logo ao adentrar em sua recepção bem harmoniosa, a fragrância bem temperada que busca na natureza seu envolvimento, ajuda através do olfato buscar um ambiente melhor e mais tranquilo.

A tecnologia que tem o poder de criar uma ponte direta entre paciente e médico, dispõe de um sistema chamado Smart Hospitality, sistema criado e desenvolvido para aproximar o médico e o paciente através de Ipads, com isso o paciente pode ter acesso a resultados de exames, opinião especializada e eficiência bem reunidos.

O médico cardiologista Jorge Moll, responsável pela rede D’Or São Luiz, reforça a ideia do quanto é importante associar o que de mais moderno existe em atendimento médico de qualidade sem perder o carinho acolhedor e aconchegante que o paciente encontra em um passeio, totalmente fora de um ambiente hospitalar. Quem passa por lá diz que é como estar hospedado em um hotel de luxo.

Existe a pretensão de a rede D’Or construir mais hospitais deste mesmo seguimento no Brasil dentro dos próximos anos, segundo Moll, as expectativas são de poder construir um hospital em São Paulo e um em Brasília.